Comprar um imóvel é uma decisão que deixa muitas pessoas apreensivas. Afinal, o valor pago é alto e este é um bem durável, ou seja, que integrará o patrimônio da sua família por muitos anos. No entanto, são muitos os fatores que influenciam o preço do imóvel. Você sabe todos?

Por isso, é fundamental entender quais são os fatores que influenciam o preço do imóvel, comparando, sempre, o custo-benefício das opções disponíveis e entendendo qual oferece mais vantagens, por um preço que caiba no seu bolso.

Siga conosco e entenda melhor!


1- Localização

Um imóvel bem localizado costuma ter um preço superior. Quanto mais próximo de bairros nobres, do centro da cidade ou de facilidades, como metrô, trens, parques, escolas etc., maior tenderá a ser o preço do imóvel – e também a sua valorização.

Outros fatores ainda podem influenciar, como uma região com baixa criminalidade e presença de itens que reforcem a qualidade de vida dos moradores, como áreas verdes, espaços coletivos para atividades físicas e lazer, pontos culturais, shoppings e outros.

Isso é fácil de entender, pois, quanto melhor for o bairro, mais pessoas desejarão residir nele, fazendo com o preço do m² se eleve, já que há mais procura do que em bairros distantes ou sem tantos atrativos.

2- Tamanho do imóvel

A metragem também influencia no preço do imóvel. Geralmente, imóveis novos e menores costumam ter o preço por m² menor do que os imóveis maiores. Contudo, essa regra não se aplica no caso de imóveis antigos.

Na verdade, tudo dependerá dos atrativos que o imóvel apresenta. Um apartamento pequeno pode ter um custo elevado caso ele esteja localizado em um bairro excelente e tenha acabamentos de primeira qualidade. Mas, quanto maior for o imóvel, mais caro ele custará.

3- Acabamentos

Acabamentos de qualidade duvidosa podem fazer o preço de um imóvel despencar, mesmo que ele seja grande ou bem localizado. Dessa forma, caso você tenha encontrado uma oferta abaixo do normal, em uma excelente localização e com uma boa metragem, cuidado!

Isso ocorre porque os acabamentos costumam ser os materiais mais caros de uma construção. E quanto mais nobres eles forem, maior será o preço.

Mais do que beleza, os acabamentos estão diretamente ligados à qualidade e à durabilidade da obra. Então, vale a pena pagar mais caro para ter acabamentos de primeira na sua nova casa, pois eles tenderão a durar mais tempo, evitando ter de gastar com reformas e trocas dentro de poucos anos.

4- Estrutura social e área de lazer

Os imóveis localizados em condomínios costumam custar mais caro – e o preço do imóvel ainda varia dependendo dos atrativos que esses condomínios oferecem. Imóveis em condomínios completos com piscina, área fitness, academia, sauna, espaço gourmet, SPA etc. têm um preço de venda superior.

Afinal, eles oferecem muito mais qualidade de vida e benefícios aos moradores que podem realizar todas essas atividades a apenas alguns passos de casa, melhorando o bem-estar físico e mental de toda a família e ajudando a economizar com mensalidades de clubes e academias.

Atualmente, os condomínios resorts ou clubes são os mais caros – e também os mais desejados. Eles oferecem uma estrutura completa de lazer, até mesmo com SPA capaz de oferecer diferentes serviços. Outros ainda contam com estrutura específica para crianças e pets, agradando a toda a família.

Os imóveis fora de condomínios também podem apresentar uma boa área de lazer, com churrasqueira, piscina, quintal, solarium, academia etc. – e todos esses pontos ajudam a subir o preço do imóvel.

5- Idade do imóvel

De forma geral, imóveis antigos costumam ser mais baratos do que os novos. Exceto quando a compra é realizada na planta, ou seja, ainda em fase de construção.

Outro ponto que influencia é em termos de conservação. Imóveis antigos costumam precisar de reformas e, por isso, têm o preço de venda menor, pois, quem comprar, acabará tendo de investir mais para deixar o imóvel confortável e adequado.

Porém, um imóvel antigo que acabou de passar por uma reforma poderá ter um preço mais elevado, porque ele já foi modernizado.

6- Segurança

Quem não sonha em viver em um local seguro e tranquilo para criar os filhos e a família? Justamente por isso a segurança é um fator que influencia no preço do imóvel.

Bairros com baixa taxa de criminalidade tendem a ter um valor superior no preço por m², assim como os imóveis em condomínios também custam mais, porque, subentende-se, que eles oferecem mais segurança.

Quanto mais itens de segurança o imóvel ou o condomínio tiver, mais caro ele será. Por exemplo: cercas elétricas, câmeras de monitoramento, patrulha, fechaduras digitais, alarmes etc.

7- Vagas de garagem

Tanto imóveis em condomínio, como fora dele, podem ser mais baratos se apresentarem menos vagas de garagem – ou garagem descoberta. Afinal, muitas famílias costumam ter mais de um veículo e desejam guardá-lo em um local seguro e confortável.

Por isso, novos empreendimentos de alto padrão apresentam mais de uma vaga de garagem por unidade habitacional.

8- Estrutura do condomínio

Se você está pensando em comprar um imóvel em condomínio, é fundamental se atentar à estrutura que ele oferece, já que isso influencia diretamente no preço do imóvel.

Condomínios que dispõem de elevadores, garagem coberta, ampla área de lazer, portaria 24 horas, zelador, jardinagem e outros itens costumam ter imóveis mais caros, já que há mais facilidades e benefícios aos moradores.

9- Personalização da planta

Ter uma casa personalizada e pensada de acordo com suas necessidades e desejos é algo incrível, porém isso também pode ter um custo. Isso porque algumas alterações na construção do imóvel, quando ele ainda está na planta, pode ser um custo extra, ou mesmo nenhum, já que vai depender da alteração e também do combinado com a própria construtora.

Algumas dessas empresas oferecem a possibilidade do cliente optar por imóveis com mais ou menos quartos, posição diferente dos cômodos, varandas maiores ou menores.

10- Andar do imóvel

Em um condomínio, geralmente, os apartamentos em andares mais altos, custam mais caro. Porque eles oferecem uma vista mais bonita da cidade e sofrem menos com o barulho das áreas comuns.

Por outro lado, os apartamentos térreos, nos primeiros andares ou próximos do salão de festas, academia, garagem etc. costumam ter valores menores, pois haverá mais chances de incômodos aos moradores, menor privacidade e uma vista não tão bacana como dos andares mais altos.

Além disso, imóveis localizados com vista para o mar, parques, praças, calçadões e atrações turísticas tendem a ser mais valorizados.

11- Posição do imóvel

A posição do imóvel em relação ao sol é um ponto que pode aumentar ou reduzir o valor de venda. Geralmente, os imóveis que recebem luz solar pela manhã costumam ser mais caros, porque são mais frescos durante o verão e mais quentinhos durante o inverno.

Contudo, isso pode variar dependendo das preferências dos moradores.

12- Varanda ou sacada

Os apartamentos são imóveis muito procurados, mas, mesmo quem mora neles, deseja ter um espaço externo, destinado ao lazer, ao relaxamento ou para receber os amigos e a família.

É por isso que os imóveis com varanda ou sacada estão em alta – e custam mais caro, já que há maior demanda por eles. Quanto maior for a varanda, ou mais atrativos ela apresentar (como a varanda gourmet), maior será o preço do imóvel.

13- Documentação

Ninguém deseja comprar um imóvel irregular, com problemas na justiça ou que possa ser penhorado, por exemplo. Por isso, desconfie de imóveis bem localizados, modernos e com preço muito abaixo do mercado.

Geralmente, isso pode indicar problemas de documentação, bens penhorados ou imóveis em inventário – que trarão dificuldades de compra devido à necessidade de todos os herdeiros concordarem com a transação.

Além disso, imóveis com atraso nas taxas e impostos da prefeitura, como o IPTU, ou até mesmo das taxas condominiais, podem ser vendidos mais baratos do que a média do mercado.

Atenção, ainda, aos apartamentos com cobertura, verificando se o imóvel realmente possui autorização da área construída na parte superior. Caso contrário, você poderá ter de lidar com despesas futuras, como correção do IPTU e multas da prefeitura.

14- Situação do mercado

Quando for comprar sua casa nova, é fundamental verificar a situação atual do mercado imobiliário. Quando ele está em alta ou saturado com muitas vendas, o valor do m² poderá cair – sendo, este, um excelente momento para comprar.

Agora se há muita procura e poucos lançamentos das construtoras, ocorre o oposto, o valor do m² sobe e esse passa a ser um momento mais interessante para vender.

Caso queira comprar seu imóvel financiado, avalie, ainda, como está a taxa de juros, a Selic. Se ela estiver alta, isso significará prestações mais altas por mês, dificultando a compra. Já quando a Selic estiver baixa, como é o momento atual, esse é um excelente momento para os financiamentos, comprando imóveis mais caros e com uma parcela menor.

Viu só quantos fatores podem influenciar no preço do imóvel? Esses mesmos fatores também ajudam a valorizar o seu imóvel, fazendo com que você consiga vendê-lo a um preço superior ao que você pagou, ajudando a aumentar o patrimônio da sua família.

Se você está em busca de imóveis, acesse o nosso site e saiba mais sobre nossos lançamentos!