O mercado de dispositivos inteligentes controlados via aplicativo vem crescendo no Brasil e hoje não é realidade apenas de uma parcela mais rica da sociedade. O barateamento de alguns aparelhos, como smartwatches, tem popularizado o uso de tais dispositivos. Isso abre caminho para tecnologias mais complexas e de uso doméstico ou corporativo, estamos falando da automação residencial.

Hoje, ter uma casa inteligente deixou de ser questão de luxo ou supérfluo. Atualmente, passou a ser uma requisito para garantir segurança e mesmo praticidade aos moradores. Imagine que uma pessoa com mobilidade reduzida, por exemplo, ao possuir um sistema automatizado em casa, terá muito mais independência na realização de tarefas simples do dia a dia.

Mas se você acha que uma casa controlada por comando de voz é pura ficção científica fique atento a esse texto. Vamos te mostrar como a inteligência artificial e demais tecnologias smart são uma tendência mundial e estão integrando-se cada vez mais ao dia a dia das pessoas.

Os primeiros passos da automação residencial

Mesmo com a popularização ainda em curso, a automação residencial não é tão nova quanto parece. Os experimentos iniciais com tecnologias inteligentes aconteceram nos anos setenta, nos Estados Unidos. Lá, foram desenvolvidos os primeiros módulos inteligentes que desempenhavam funções bem simples como ligar e desligar luzes.

Foram o barateamento dos aparelhos digitais e a melhoria da qualidade da internet oferecida que abriram as portas para que a automação residencial pudesse se desenvolver melhor nos últimos anos. A adesão crescente da sociedade às tecnologias de comunicação digitais também favoreceu a ascensão dessa tecnologia que já pode ser planejada desde o projeto de construção da casa.

Segundo a Associação Espanhola de Domótica (nome dado à automação residencial na Europa), a novidade tecnológica trata da automatização e controle de equipamentos domésticos desenvolvidos para se comunicarem entre si e seguir instruções de um programa preestabelecido pelo proprietário, conforme suas necessidades.

Em resumo, a automação da casa compreende a integração de sistemas tecnológicos presentes no imóvel, como sistemas de comunicação, iluminação, multimídia, aquecimento, segurança e irrigação, operando via aplicação que o morador controla no smartphone ou em controle próprio dos equipamentos.

Hoje, no mercado, existem dispositivos inteligentes e com valores acessíveis que podem ser programados para funcionar, acionados remotamente via celular e computador ou ainda por comando de voz.

Automação residencial e inteligência artificial 

Uma tecnologia que caminha lado a lado com a automação residencial é a inteligência artificial, embora sua atuação exceda o domicílio. Os assistentes virtuais são muito comuns nas estratégias de atendimento ao cliente. No entanto, têm ganhado adeptos na modalidade pessoal, quando adquiridos junto a um aparelho ou sistema operacional que disponibilize um, como a Siri da Apple.

No âmbito doméstico, eles são utilizados para auxiliar o morador no desempenho das atividades por meio de comando de voz. Então, ligar as luzes, o ar condicionado, a TV ou  o sistema de som também podem ser ativados pelo assistente virtual pessoal.

Mas a função do assistente vai além, como mencionado. Eles também podem checar agenda, clima, trânsito, realizar pesquisas na internet, fazer compra, reservar hotel, contratar carro particular, pedir comida delivery, enviar de email ou sms, fazer ligações telefônicas, agendamento online, entre uma série de outras tarefas possíveis. Ou seja, estão a disposição suprir algumas necessidades e otimizar a rotina do usuário.

Isto porque o assistente virtual é baseado em um algoritmo inteligente que monitora suas atividades online e pode controlar os aplicativos instalados no seu dispositivo. Dessa forma, têm acesso à sua agenda, ao seu histórico de compras, de consumo e de navegação. Com esse dados, ele não só executa atividades que você determina, como realiza pequenas interações e ainda sugere alternativas, baseadas no seu gosto.

Por que automatizar minha casa?

O principal objetivo da automação residencial é tornar a vida do morador mais prática, simples e segura, contribuindo para a melhoria da sua qualidade de vida. Automatizar algumas atividades domésticas dão conforto e otimizam o tempo gasto dentro de casa, que pode ser direcionado a outras atividades.

A automação também contribui com a economia de recursos, uma vez que alguns equipamentos podem ser programados para desligarem sozinhos quando não estiverem sendo usados pelo morador.

A segurança também é um aspecto redobrado com a automação residencial, a partir de sistemas integrados de monitoramento da casa quando ausente ou ainda instalação de sensores diversos em caso de invasão ou vazamento de gás. 

O que pode ter automação residencial?

Com os crescimento do mercado e a evolução das tecnologias digitais, soluções mais acessíveis e fáceis foram surgindo. Hoje, podemos encontrar uma diversidade de dispositivos automatizados de lâmpadas à sistemas de irrigação.

Uma vez que o objetivo é automatizar dispositivos que seriam acionados manualmente, basicamente, todo equipamento ou sistema eletrônico pode ser automatizado, se já houver aplicação disponível para ele.

Não é muito comum no mercado nacional, mas já existem geladeiras inteligentes que podem ser programadas para monitorar os mantimentos que ela possui. Dessa forma, notificaam o usuário que uma nova compra precisa ser feita ou ainda, ela mesma solicitar nova compra à rede de supermercado que o morador tiver cadastrado em seu sistema.

O controle de sistema de som também pode ser realizado e acionado remotamente, por comando de voz ou ainda programado de acordo com o desejo do proprietário. Aliás, a automação pode cobrir todo o sistema multimídia da casa, como home theater, tv, videogame, etc.

Controle do sistema de climatização por meio da automação de ar condicionados  e aquecedores que também podem ser programados para ligarem quando o morador chegar e desligado quando sair, ou minutos antes para resfriar o ambiente.

Maior segurança com automação residencial

No mercado, os sistemas mais comuns são os de vigilância como câmeras, alarmes, detectores de fumaça e sensores de movimento. A casa pode ser monitorada remotamente com acesso às câmeras pelo app e em caso de invasão acionar a polícia ou empresa de vigilância sem se colocar em risco.

Assim, podemos automatizar o sistema de iluminação da residência. Dessa forma, ela será acionado quando o morador chegar ou ainda se adaptar ao momento que se vê tv, com redução da intensidade da luz, por exemplo. O controle da iluminação também pode ser feito à distância, caso identifique que alguma luz ficou ligada na sua ausência.

Lembrando que um fator essencial para que a automação residencial funcione conforme esperado é ter um serviço de internet estável e com boa capacidade, uma vez que todos esses dispositivos operam de forma online. 

Agora que você sabe como automatizar sua casa, saiba mais sobre as novas tecnologias que estão reinventando o setor imobiliário.